Foi na Toscana, terra da grande literatura de Dante, Petrarca e Boccaccio, que nasceu o italiano moderno. Pode haver vínculo mais Toscana profundo, dívida mais alta e nobre de uma nação para com uma de suas regiões, do que lhe dever a sua língua comum? Mas é a Europa inteira que está ligada à Toscana e é devedora dela pela sua extraordinária contribuição à cultura européia.

Foi na Toscana que nasceu e se desenvolveu, entre os séculos XIV e XVI, a grandiosa época do Humanismo e do Renascimento, movimentos estes que inovaram radicalmente a cultura e a arte daquele tempo, deixando um rastro profundo, indelével, na civilização européia comum.

Daquele extraordinário período histórico a Toscana, a começar pela capital, Florença, conserva os maiores testemunhos. Grandes obras de arquitetura civil e religiosa, esculturas e pinturas de extraordinário valor artístico, testemunhos do trabalho criativo de grandes gênios: para citarmos apenas alguns, Leonardo da Vinci, Michelangelo Buonarroti e Filippo Brunelleschi.

Mas a Toscana nãoé só Florença. Há também Siena, com a sua Piazza del Campo, teatro a cada verão do famoso Palio. Na província de Siena (famosa, entre outras coisas, pelos seus grandes vinhos, como o Chianti e o Brunello) despontam Montepulciano e Pienza, jóias extraordinárias da arte renascentista, e San Gimignano, com as suas célebres torres e casas torreadas.

Em seguida há Pisa, conhecida no mundo inteiro pela mais do que célebre Torre pendente; Carrara, com seu Duomo revestido do preciosíssimo mármore que recebe o nome da cidade; e ainda Lucca, Pistóia, Arezzo, Grosseto, Livorno, Prato, que também ostentam igrejas e outros monumentos de grande valor arquitetônico e artístico. São incontáveis as belezas naturais toscanas. Acima de todas, a sua paisagem: a típica, única, doce e quente paisagem toscana.