Uma região em que uma natureza rica e variada (o mar Adriático, com sua costa plana e arenosa, interrompida aqui e ali por abruptos e íngremes rochedos; a harmoniosa paisagem agrária com suas suaves colinas; as grutas profundas e misteriosas; as áreas naturais protegidas) é enriquecida por cidades, burgos, palácios, edifícios religiosos quase sempre de alto valor arquitetônico e artístico.

É o caso do Duomo de Ancona, a capital da região, importante porto do Adriático, ou da catedral de Pesaro. Em Urbino, o Palácio Ducalé um testemunho impressionante da grandiosidade do Renascimento É um pecado imperdoável achar-se durante o verão em Macerata e não reservar um lugar no majestoso Sferisterio, para assistir a um espetáculo teatral ou musical. Em Ascoli Piceno, a combinação de arquiteturas medievais e renascentistas (S.Francesco, Loggia dei Mercanti, Piazza del Popolo, etc.) prende a atenção até mesmo do visitante mais distraído.

Mas em quase todas as cidades das Marche, até mesmo nas mais pequenas, são inúmeros os autênticos tesouros artísticos. É difícil citar algum deles sem que seja em detrimento dos outros. Abramos uma exceção para Recanati, cidade natal do mais amado dos poetas italianos de todos os tempos: o doce, áspero, infeliz e sublime Giacomo Leopardi (1798-1837). É difícil não ficar emocionado ao se visitar o palácio onde o poeta passou a infância e a adolescência.

Uma emoção que, num sentido diferente, também sente o visitante da Santa Casa, em Loreto, meta de contínuas e grandes peregrinações.