Os pórticos que dão abrigo e sombra aos passeios pelas ruas do centro histórico de Bolonha; Emilia Romagna a infinita e multicolorida profusão de guarda-sóis nas ensolaradas praias da Romagna. A cidade moderna, dinâmica, rica, mas ainda capaz de preservar a sua "face humana", e a longa costa, repleta de turistas atraídos pelo irresistível trinômio sol-mar-diversão.

É essa a Emilia-Romagna? Sim, é essa. E muito mais ainda, começando pelo seu extraordinário patrimônio histórico, artístico e cultural. Uma das regiões mais prósperas da Itália, a Emilia-Romagna é un gigantesco estojo cheio de jóias monumentais e de obras-primas de arte, de universidades antigas e famosas, de modernos centros de formação artística e cultural.

Em Bolonha, sede da mais antiga Universidade italiana (século XI), são realmente inúmeros os monumentos de grande nível artístico. Lembremos apenas as duas velhas e espetaculares Torres dos Asinelli e da Garisenda, ambas pendentes, e a Piazza Maggiore, com os seus grandes edifícios medievais, e o gótico Duomo di S. Petronio, onde Carlos V foi coroado imperador, em 1530.

Fora de Bolonha, são imperdíveis as obras-primas bizantinas de Ravenna, o Batistério medieval de Benedetto Antelami em Parma, o Templo malatestiano de Rimini, a igreja românica de S.Mercuriale em Forlì, o velho Palazzo comunale de Piacenza, o Santuário da Madonna della Ghiara, do século XVII, em Reggio Emilia, a esplêndida Galleria Estense de Modena, o harmonioso e intacto centro histórico de Ferrara. E bom apetite. Mas o que isso tem a ver? Entrem num restaurante da Emilia-Romagna e verão.