Arte rupestre do Vale Camonica
Unesco – 1979

O Vale Camonica, território dos Alpes lombardos de origem glacial, conserva o mais grandioso complexo de arte rupestre da Itália sub alpina, um território quantificável de aproximadamente 250.000 petroglificos impressos sobre centenas de rochas ao ar livre, representando temas da agricultura, navegação, guerra e magia.

Assis e outros lugares franciscanos
Unesco – 2000

Assis, antigo santuário e cidade medieval construída sobre a colina, é a cidade natal de São Francisco e estreitamente associada com os trabalhos da Ordem Franciscana. As obras de arte medieval, como a Basilica de São Francisco e os afrescos de Cimabue, Simone Marini, Pietro Lorenzetti, Giotto, fizeram de Assis um ponto de referência fundamental para o desenvolvimento artístico e arquitetônico da Itália e da Europa.

Centro Histórico de Ferrara
Unesco – 1996

Surgida na época medieval como porto fluvial, Ferrara legou o seu destino àquele do maior rio italiano, o Po, que lhe trouxe prosperidade e riqueza. Após um período de grave instabilidade política, se torna pacifica pelos Estensi, governates que no século XV a levaram a ribalta da política internacional. Graças a contribuição de artistas como Biagio Rossetti, Piero della Francesca e andrea Mantegna tornou-se muito cedo a representação da cidade ideal.

Centro histórico de Firenze
Unesco – 1982

Desde a era medieval, a cidade de Firenze foi o centro das atividades culturais e mercantis que, com o decorrer dos séculos contribuiram para a criação de esplêndidas obras artísticas e arquitetônicas, manifestando ao mesmo tempo, a devoção, a dignidade e a capacidade dos florentinos aos olhos do mundo. Entre as obras que ganharam vida em Firenze, lembramos: Santa Maria del Fiore, a Igreja da Santa Croce, o Palácio degli Uffizi, obras de artistas como Giotto, Brunelleschi, Botticelli e Michelangelo.

Centro Histórico de Napoli
Unesco – 1995

Napoli, do antigo nome Neapolis (cidade nova), foi fundada pelos gregos no século VII a.C e se tornou em seguida, uma das maiores cidades da Magna Grécia, graças a sua conformação de amplo porto, protegido por colinas luxiriantes e clima agradável. Percorrendo as suas inúmeras e estreitas vielas, encontram-se os sinais arquitetônicos típicos das várias culturas que dominam a cidade no decorrer dos séculos. Em 1734, tornou-se residência da família real Bourbon, da qual hospeda aina hoje, a memória e os imensos vestígios artísticos e arqueológicos.

Centro Histórico de San Gimignano
Unesco – 1993

A cidadezinha, erguida no século X ao longo da Via Francigena ou Romea, que comunicava atravé dos santuários, a Europa ocidental a Roma, evoca uma imagem da Itália medielval, elegante e refinada. Ficou famosa pelas 72 torres ( hoe restam apenas 14 ), erguidas como símbolo da riqueza e do poder das famílias dos mercantes que ali residiam.

Centro Histórico de Siena
Unesco – 1995

A cidade, habitada desde o século XII por mercantes, representa com os seus monumentos em estilos medieval e gótico, o testemunho, não só das altíssimas modalidades expressivas adquiridas com seus artistas, mas também com a preciosa e rara documentação da concessão paisagística italiana do XIV século. Centro da vida quotidiana era a Praça do Campo, conhecida por sua forma de leque, lugar onde acontece o celebre e famoso palio.

Centro Histórico de Urbino
Unesco – 1998

Pequena cidade situada sobre o topo de uma colina, conhece no século XV uma notável prosperidade cultural, atraindo artistas e eruditos de toda a Itália e do mundo inteiro. Influenciando assim, o desenvolvimento cultural do resto da Europa. O típico aspecto que a cidade tinha durante o Renascimento se encontra esplendidamente intacto até hoje.

Costa Amalfitana
Unesco – 1997

Representa com a sua conformação natural e arquitetônica de sugestiva beleza, o sentimento do poder da natureza sobre o homem, que sempre atraiu poetas, artistas e viajantes do mundo inteiro. Foi lugar de comércio entre o mundo islâmico e o ocidente, rico de contrastes: sol mediterrâneo e rochas íngremes, luxuriante vegetação e grutas no mar.

Monumentos cristãos primitivos de Ravenna
Unesco – 1996

Sede do poder imperial bizantino na Itália, atravessou um período de esplendor e riqueza que durou até o final do século VIII. É caracterizada por antigos monumentos de culto, que representam a fusão dos influxos artísticos do Oriente com a iconongrafia cristã.

Venezia e a sua Laguna
Unesco – 1987

Venezia, cidade insular, fundada no século V por populações provenientes da terra firme, configurou-se, desde suas origens, como centro comercial de grandes ambições. Dominou a rota comerciais com o Oriente. Testemunhas dessa época são os deslumbrantes palácios e a produção de obras e objetos de arte derivados do encontro entre as culturas oriental e ocidental.