Um prato símbolo do Piemonte antigo é o Bagna Caoda: molho a base de anchovas, alho e azeite, servido quente. Porém, a cozinha piemontesa,se por um lado conta com uma raíz histórica e popular, por outro se encontra relacionada com a corte dos Savoia e portanto, com uma experiência em uma cozinha nobre, que frequentemente tem recebido influências francesas.

Do ponto de vista dos produtos típicos, o Piemonte é uma verdadeira mina de variedades numéricas comparável com poucas áreas européias. As mais famosas são as trufas brancas (tartufo bianco) da cidade de alba; os diversos queijos com denominação de origem controlada; a carne de raça bovina piemontesa,os inumeráveis salames, como o salame de asno e o cacciatorino:pequeno salame crú.

A planície entre Casale, Novara e Vercelli, conta com a supremacia quanto ao arroz, com as variedades carnaroli, baldo e arborio; enquanto que as colinas aos pés dos montes distinguem-ser pelas avelãs.

É impossíivel esquecer o vinho. As marcas são realmente diversas: o Barolo e o Barbaresco que abrem o caminho às séries de vinhos a base de nevolinos: Gattinara, Ghemme, Boca, Carema; depois o Barbera, vinho popular extraordinária versatilidade que está entusiasmando os mercados internacionais; os vinhos brancos como o Gavi, L´Erbaluce e L´Arneis, ou até mesmo vinhos doces como o Moscato, a malvasia, o Bachetto, o Asti, que depois do champagne, é o vinho mais vendido do mundo.

Atenção ao vinho Dolcetto: é um vinho seco, pórem nunca doce.