Cidade de San Leo
Site: http://www.san-leo.it

San Leo surge sobre um declive rochoso a 538 metros recolhendo em pouco espaço uma concentração de monumentos e obras de arte como raramente se vê na Itália.

O local servia de fortificação desde o tempo dos Umbros e passou antes pelo domínio dos Galli Senoni e logo aos romanos. No seu tempo era chamada Montefeltro pela presença de um templo dedicado a Júpiter Feretrio, e então Mons feretri.

No final do II sec. d.C. chegou ali San Leone para pregar o cristianismo. A presença foi talmente determinante que Montefeltro trocou o nome para San Leo por volta do ano 1000.

Pela sua origem defensiva, foi teatro de batalhas entre os Godos e os Bizantinos (VI sec.) e depois entre os Longobardos e Francos (VII sec.). Sob o domínio da Igreja de Roma, Montefeltro foi então dominada pelo conde Antonio di Carpegna (fiél a Federico II da Svevia) originário de Montecopiolo conhecido como Montefeltro. Os condes de Montefeltro conseguiram influenciar a política da Itália Central no 1400 alargando a própria zona de influência a Rimini, Pésaro e Urbino (1234 doaçao de Federico II).

San Leo hospedou grandes personagens como São Francisco de Assis, Dante Alighieri, Lorenzo de Medici, que a assediou por meses e ali construiu o Palácio Mediceo, cede do governador da República Florentina no burgo. Um outro personagem ali encontrou a morte (1795) por pena e excomungação papal, este foi Cagliostro, o misterioso alquimista e maçon que ali viveu no 1700.

Os monumentos de San Leo são importantes e numerosos: a Catedral românica de San Leone (1173) com o campanário adjacente, a Pieve de Santa Maria da Assunta (XI sec.) contendo no interno um cibório de 882, que surgiu sobre o lugar onde San Leo construiu a primeira Igreja, o Convento de S. Igne fundado por San Francesco.

Notáveis também os palácios de San Leo: Palazzo Mediceo (1417-1423), Palazzo Della Rovere(XVII), o Palazzo dei Conti Nardini na praça principal.