Cidade de Enna
Site: http://www.comune.enna.it

O umbigo da Sicília ou a Bela Vista da Sicília ou, ainda, Urbs Inexpugnabilis como a chamavam os romanos. Tantos são os sobrenomes de Enna pela sua posição geográfica central sobre o cume de uma fortaleza capaz de oferecer vistas incríveis ao viajente moderno.

Enna foi habitada desde a Idade da Pedra pelos Sicanos, população de origem não indo-européia que se instalou na Sicília desde a pré- história. Desse distante passado encontram-se um vilarejo, uma necrópolis e um templo do Neolítico.
Com a chegada dos Siculos antes (XV sec. a.C.) e dos gregos logo em seguida (IX sec. a.C.), foi modificado o equilíbrio político e a cidade iniciou a produzir moeda grega desde o V sec. Se aliou com Siracusa para confrontar-se com Cartagine, mas, em 397 a.C. tornou-se feudo de Siracusa sob Dionisio I , e, em 307 foi dominada pelo ditador Agatocle.

Em 259 a.C. foi dominada primeiramente pelos cartagineneses e liberada pelos romanos um ano depois. Em 212 a.C. passou definitivamente a Roma. Ali iniciou a primeira guerra servil (139-132 a.C.) chefiada pelo escravo sírio Euno que se entregou aos romanos apenas depois de dois anos de assédio.

Depois da queda de Roma e da devastação vândala, Enna foi administrada pelos bizantinos atè o momento da conquista áraba (859). Com a chegada dos normandos na Sicília (1070), Enna tornou-se a última fortaleza de defesa de resistência árabe até 1087, ano o qual foi conquistada por Ruggero d'Altavilla.
Sob os normandos, os Svevos e os Aragoneses, a cidade construiu um castelo e fortalezas de defesa desenvolvendo-se sem interrupção até o XVII sec. quando começou o seu lento declínio. Em 1860 Enna, após ter participado ativamente pela unificação, torna-se então parte do Reino da Itália.

E, é da fase medieval a zona urbanística ainda presente na cidade com exceção às muralhas que então não existem mais. O lindíssimo Castelo de Lombardia é da fase Sveva e encanta pela sua integridade e mole. Foi escolhido por Pietro III d'Aragona como residência real em Enna. De igual fascínio é a Torre de Federico II (XIII sec.), alta 24 metros com tetos em arcos. Bonito também é o Palácio Pollicarini (XV sec.) de influência espanhola.

Entre os edifícios religiosos certamente é imperdível o Duomo, construído em 1307 por vontade da Rainha Eleonora d'Aragona, que conserva preciosas telas no seu interno e o Museu Alessi; também, as Igrejas de San Francesco d'Assisi (XIV sec.), a barroca San Giuseppe e ex Igreja de S. Giovanni Battista com um lindo campanário gótico (XV sec.).