Cidade de Ascoli Piceno
Site: http://www.comune.ascolipiceno.it

Conta-se que Ascoli Piceno foi fundada pelo rei Pelasgo Aesis na época pré- romana no final da Idade do Bronze, não obstante, naquela zona se encontrassem achados arqueológicos precedentes e provas de povoações da fase paleolítica.

De ligação etimológica, o nome então teria sido derivado da raiz egeo-anatolica "as", que significa povoamento urbano.

Em 299 a.C. Ascoli se aliou com os romanos nas guerras contra os Sanniti e Etruscos, e em 268 a.C. tornou-se cidade confederada de Roma. Durante as guerras civis (91 a.C.) se rebelou e comandou as populações da península itálica a Roma. Foi por este motivo cercada pelo assédio do general romano Gneo Pompeo Strabone por mais de dois anos, e, quando conquistada foi fortemente danificada.
Em 49 a.C. César, depois da travessia do rio Rubicone, a conquistou dando- lhe o sobrenome Picenum. Durante o período imperial, Ascoli Piceno conheceu um período de máxima importância e desenvolvimento econômico e político.

Do período romano sobraram restos de monumentos: Ponte de Cecco, Ponte Augusteo sobre Tronto, os restos do Teatro e do Anfiteatro, Porta Gemina, dois templos atualmente englobados na Igreja de San Venanzio e de San Gregorio.
O centro da cidade é a Praça del Popolo sobre a qual se encontram os monumentos mais importantes da cidade: o Palácio dos Capitani del Popolo com torre medieval (XIII-XV sec.), o porticado do 1500_ Loggia dei Mercanti_ localizado diante da Igreja de San Francesco, a Catedral de Sant'Emidio.

Outros lugares de grande interesse cultural são os palácios nobres: Palácio dell'Arengo (XII sec.) e Palacete Longobardo (XII sec. perfeitamente conservado).
Continuando a visita se aconselha de realizar uma parada no Forte Malatesta (metade do 1300), à Fortaleza Pia (edificada e destruída pelos romanos, reconstruída e destruída no Medioevo, reconstruída depois por Papa Pio IV), a Torre degli Ercolani (XII-XIII sec.)